Ela disse que o mundo não era tão grande.

Tempo de leitura: 2 minutos

Ela disse que o mundo não era tão grande.

Sinceramente não sei quando isso começou, não sei se tive alguma influência externa ou por qual razão eu desenvolvi essa paixão quase obsessiva de viajar.

Acho que foi algo que aprendi a amar enquanto fazia e talvez até arrisque dizer que tem um dedinho na minha avó nisso, ela sempre falava muito bem das viagens que ela fez a Europa e lembro nitidamente de uma frase que ela falou quando voltou de uma das viagens a Portugal.

Lembro que, antes de sair do Brasil, vi o meu irmão fazer duas viagens internacionais, ele foi pra Argentina e para o Chile, e o mais longe que eu tinha ido foi Peruíbe. Achei aquilo louco demais, como ele ia pra um lugar que falava espanhol se ele não falava espanhol? Como ele ia ficar em um hostel com gente que ele não conhecia e como ele ia andar em um lugar que ele nunca tinha ido. Você é louco mano!

E aí o tempo foi passando, o intercâmbio veio e com ele as primeiras viagens. Bélgica, Escócia, viajei por curiosidade, pra conhecer um lugar que eu já tinha uma curiosidade prévia. E depois vieram mais viagens. Só que o tempo foi passando e após o meu 14º pais eu voltei para o Brasil, fiquei 8 meses sem viajar. Foi ali que percebi que tinha um problema. Eu sentia necessidade de conhecer novos lugares, novas comidas, novas (ou nem tanto) línguas, e aí eu fui pra Buenos Aires e pra Montevidéu, e eu senti aquilo de novo.

Aquilo o que Marião?

A sensação que eu chamo de SDPACQAACB (Sigla para Síndrome De Pedro Alvarez Cabral Quando Avistou A Costa Brasileira). Aposto que ele sentiu o mesmo que eu sinto quando desço do avião, é uma mistura de “o que será que vai acontecer?” com um “vamo pra cima que vai ser da hora”. Se não foi exatamente isso que ele sentiu, com certeza foi algo parecido.

Hoje eu já não ligo mais pra qual destino será o próximo, desde que exista um próximo. Importante que seja bem próximo, um próximo do outro. Porque não gosto de ficar muito tempo sem viajar não!

Virou meu vicio, minha terapia, meu hobbie e minha mania!

E isso faz eu lembra da minha avó.

– O mundo não é tão grande quanto pensamos. Disse ela.

– Ah é? Vamo ver então! Digo eu!

Comments

comments

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.